Barreira de Corais

BRISBANE (finding Nemo) Vir para a Australia e não visitar a Grande Barreira de Corais é uma barbaridade, pra usar um vocabulário bem Curitibano. Então para não cometer tal barbaridade, reservamos um dia para visitar um pedacinho do Parque Nacional da Barreira de Corais.

A barreira é uma imensa faixa de corais composta por cerca de 600 ilhas e milhares de recifes. Possui cerca de 2300km de extensão começando no norte da Australia e se estendendo até Papua-Nova Guiné. O parque é patrimônio mundial da Unesco. Em resumo, um paraíso que não pode deixar de ser visitado!

Nós escolhemos o ponto mais próximo de Brisbane (5h de carro) para o passeio, uma ilha chamada Lady Musgrave. O barco sai da pequena cidade de Agnes Water e leva cerca de 1:30h para chegar na barreira. A empresa que fizemos nosso passeio é a Lady Musgrave Cruises. Serviço excelente! Só não esqueça de reservar um hotel/motel/dormitório, pois mesmo no inverno a coisa é bastante procurada.

A viagem é tensa. Mesmo tomando um remédio para enjoo tem muita gente que não resiste e apela para os saquinhos de vômito. Mas todas as dificuldades da viagem são esquecidas na hora que chegamos na barreira. A cor da água é de arder os olhos.

As ilhas, formadas por corais, possuem uma vegetação densa. A árvore que domina a paisagem tem raízes e galhos para todos os lados e tem em sua composição 80% de água. Parece uma melancia.

Depois de uma caminhada na ilha e um excelente almoço no barco,  descansamos um pouco e fomos mergulhar. Snorkel, máscara, câmera fotográfica, roupa de neoprene (a água nessa época do ano está na casa dos 20C) e fomos para a água. A sensação é de mergulhar dentro de um aquário gigante. Peixes, tartarugas, estrelas-do-mar, ostras, etc… Pra ver tudo isso basta colocar a cabeça dentro da água. Só não encontrei o Nemo 😦

Minha experiência de mergulhador não é das maiores, mas certamente esse é um dos lugares mais bonitos que eu já visitei. É o tipo de lugar pra visitar com mais calma e fazer mergulhos mais longos com cilindro. Vai pra lista!

A volta para o continente é mais tranquila, talvez por que o barco venha no sentido das ondas. E tudo fica melhor acompanhado por um belo por do sol.