Dicas para Viajar de Carro no Uruguai e Argentina

CURITIBA (unpacking) Aqui estão algumas dicas que podem ser úteis se você for fazer uma viagem de carro parecida com a nossa.

carro

Documentos pessoais: Basta a carteira de identidade. Se a sua carteira de identidade for antiga, faça uma nova ou leve o passaporte. Na fronteira com o Uruguai não aceitaram a identidade da Marisa por ser antiga (emitida em 1986). Ela teve que usar o passaporte. Para o motorista do carro, a carteira de habilitação válida, é claro. Não precisa ser a tal carteira internacional.

Carta verde: É um seguro contra terceiros exigido no Uruguai e Argentina. Algumas seguradoras (como a Allianz) emitem a carta verde junto com a  apólice original e aí você não precisa gastar nada a mais. Caso contrário você deverá adquirir esse seguro.

Documento do Carro: Somente o certificado de registro e licenciamento. Se o carro não estiver no nome do condutor, você precisa da autorização para tráfego de veículo fora do território nacional.

Itens de Segurança: Extintor de incêndio dentro da validade, cadeirinha para criança, apoio de cabeça em todos os bancos, dois triângulos, kit de primeiros socorros e o cambão. Eu li em alguns sites que um cabo de aço pode substituir o cambão, mas o Alessandro teve que desembolsar alguns pesos por causa disso. Para evitar problemas, leve um cambão como o da foto. Eu tinha um emprestado e comprei esse na Argentina. Você encontra esse item facilmente no mercado livre.

cambao

Engate traseiro: Não é permitido na Argentina, a não ser que você esteja usando o mesmo.

Farois: Sempre ligados.

Buquebus: É uma das empresas que faz a travessia do Rio da Prata entre o Uruguai e Argentina. Se você souber a data da travessia, compre com antecedência no site para pagar mais barato. Pagamos cerca de R$ 800 para atravessar (somente ida) o carro e quatro pessoas. Recomenda-se chegar com cerca de 2h de antecedência para fazer check-in e imigração.

Gasolina: No Uruguai a gasolina é muito cara, certa de R$ 3.80/litro. A sorte é que dá pra atravessar o pais com um tanque de gasolina. Abasteça no Chuí e vá em frente. Na Argentina o preço é o mesmo do Brasil. A gasolina comum é conhecida por lá como Super. No norte da Argentina vários postos não aceitam cartões de crédito. É sempre bom ter uns pesos no bolso.

Restaurantes: Tanto no Uruguai como no norte da Argentina existem algumas opções na beira da estrada, mas nada muito bom. É bom sempre ter um lanchinho no carro. Se quiser algo um pouco melhor você terá que entrar numa cidadezinha qualquer. Novamente, cartões de crédito nem sempre são aceitos.

Cartões de Crédito: É bom você ter um Visa. Pelo que eu percebi é o cartão mais aceito. No norte da Argentina ninguém nunca viu um American Express.

Entretenimento: Se estiver viajando com crianças, providencie algo para deixa-las menos entediadas. Você certamente gosta de dirigir e apreciar a paisagem, já seus filhos… No nosso caso um iPad com os jogos preferidos da Isabela e alguns filmes quebraram o galho. Da próxima vez tenho que providenciar mais filmes.

Pedágios: Lembre-se de ter moeda local para pagar os pedágios. Nós trocamos alguns reais na fronteira para isso.

Alguns números da nossa viagem:

  • km rodados: 4200
  • km rodados em estradas de terra: 100
  • pneus furados: 0 (diferentemente da bicicleta)
  • praças de pedágio: 34
  • pedágio mais caro: R$ 10,80 BR277 em São Miguel do Iguaçu
  • pedágio mais barato: R$ 1 na saída de Buenos Aires.
  • Tanques de gasolina: 7
  • Gasolina mais cara: 3.80 no Uruguai.
  • Gasolina mais barata: 2.76 na Argentina.
  • Hotéis: 6 em 14 noites
  • Trecho mais longo sem posto: 100km na RS471 (sul do Rio Grande do Sul)

Dicas para Santiago e Atacama

CURITIBA (void) Aqui estão algumas dicas caso você decida fazer uma viagem ao Chile (Vale Central e Atacama).

Documentos: Não precisa passaporte, basta a carteira de identidade. Entretanto, com o passaporte você ganha tempo em alguns lugares.  Se você pretende dirigir por lá, nossa carteira de motorista é válida.

Transporte: Viajar de avião está bastante acessível. Os aeroportos Brasileiros cada vez piores. Dificilmente você pega um voo no horário, e olha que eu viajo com uma certa frequência. Então prepare o espírito. Não sei precisar o custo da passagem CWB-Santiago, mas quando comprada com antecedência os preços são interessantes. Eu fui de milhas. Já a passagem Santiago-Calama-Santiago fica por R$ 300 pela Lan Chile se você entrar na versão Chilena do site. Tem ainda a opção da Sky Airlines ou do velho e bom ônibus. Do último eu não sei precisar o preço, mas são mais de 1000km de estrada.

O transfer para o  aeroporto em uma van para quatro pessoas ficou em torno de R$ 80

Dá pra ir de carro? Dá. Eu vi um varios carros com placa do Brasil circulando pelo Atacama. Dá próxima vez eu vou de carro!

Seguro: Nunca saia de casa sem um seguro de viagem. Vai que dá merda! É o tipo de coisa que eu pago pra não usar, principalmente quando se viaja com crianças.

Carro: Eu deixei pra alugar o carro meio em cima da hora e o melhor que consegui foi um Renaut Samsung por R$ 150/dia com seguro incluso. Dirigir em Santiago é tranquilo mas  o trânsito é pesado e não tem lugar pra estacionar. Se você pensa e visitar as redondezas em mais do que duas pessoas, certamente o carro vai sair mais em conta do que pagar os pacotes das agências de turismo.

Navegação: Eu sempre tenho um guia de viagem comigo. Gosto bastante dos guias da DK, que no Brasil são publicados pela Folha de SP. Se você pensa em dirigir, o projeto MAPEAR fornece os mapas para GPS de todo o Chile. Seria um equivalente do nosso Tracksource. ENTRETANTO, preste muita atenção, principalmente em Santiago. Os mapas estão longe de ser atualizados, principalmente com a direção das ruas. No começo da viagem eu entrei na contra-mão algumas vezes pois estava seguindo somente o GPS.

As estradas que ligam Santiago a qualquer lugar são pedagiadas. As estradas são boas (não maravilhosas) e o pedágio é caro. Para um trecho de 100km você paga cerca de CLP 5000 (R$ 18). Preço da gasolina em Santiago é parecido com o que pagamos no Brasil, ou seja, também é caro.

Roteiro: Nosso roteiro compreendeu 3 dias em Santiago, 4 dias visitando o Vale Central e 4 dias no deserto. Achei que foi de bom tamanho. Seu eu tivesse alguns dias a mais no deserto não reclamaria.

Santiago e Valle Central: Eu acho que três dias em Santiago está de bom tamanho. Santiago é uma cidade grande, com alguns atrativos e com um bom sistema de metrô o que facilita bastante a locomoção. Preste atenção nos horários do metrô. Se vocês utilizar nos horários fora de pico a passagem é mais barata.  Acho que andamos de taxi umas duas vezes somente. O taxi é barato, principalmente comparado a Curitiba.

Nos outros quatro dias usamos o carro  para visitar Valparaiso, Viña del Mar, Isla Negra, a vinícula da Conha y Toro e ainda o Valle Nevado. É obvio que se você for viajar no Inverno e gostar de ski/snowboard, pode ser interessante passar alguns dias a mais no Valle Nevado. Se sobrar um tempo, outro destino interessante é o Valle del Maipo.

Se você gosta de vinho e quiser visitar algumas vinículas, eu sugiro que você faça uma reserva antes. Não conseguimos visitar algumas que eu tinha interesse em razão de não possuir reservas.

Atacama: Pra quem gosta de atividades outdoor, um paraíso. Diferente de tudo que eu tinha visto na minha vida. Eu acho que para uma primeira visita, 4 dias (úteis) estão de bom tamanho. O primeiro dia você perde arrumando as malas em Santiago e na viagem Santiago-San Pedro de Atacama. O que fizemos:

  • Dia 1: Voo Santiago-Calama (1h40) + transfer Calama San Pedro de Atacama (1h30 de van)
  • Dia 2: Valle de la Luna e Valle da Morte. Saída as 16h e volta as 21h. Nesse caso você tem a manhã livre pra explorar a cidade de bike ou a pé. Nesse dia fizemos uma caminhada até a Pukara de Quitor pela manhã.
  • Dia 3: Salar do Atacama e Lagunas Altiplanas. Saída as 7h e volta as 16h. Você vai chegar cansadão louco pra tomar uma Austral e comer alguma coisa.
  • Dia 4: Lagunas Cejar e Tebenquiche. Saída as 16h e volta as 21h. Outro dia com a manhã livre. Alugue uma bicicleta e vá explorar a pequena cidade e redondezas.Depois da Pukara de Quitor tem uma estrada muito bacana.
  • Dia 5: Geyser del Tátio. Saída as 4h e volta as 13h. Não esqueça a jaqueta e o protetor solar. Apesar do frio, o sol queima nos 4300m. Saímos de San Pedro as 16h para pagar o voo em Calama as 19h.

Importante: Reserve todos os passeios com antecedência. Um passeio que eu não fiz por falta de reserva foi o tour astronômico. O céu de San Pedro é um show a parte e isso é explorado por uma agência local (que fica no começo da rua Caracoles). O passeio dura cerca de 3h e inclui observação das estrelas e planetas com telescópios. Eu queria muito ter levado a Isabela mas quando eu fui procurar não tinha mais vaga. Aqui tem uma lista das agências para você planejar a viagem.

Compras: Para quem quer comprar alguma coisa, perto de Santiago existem dois Outlets, o Bona Ventura e o Easton Center (ambos na Ruta 5). Em Santiago, outro Shopping com uma grande variedade de lojas é o Parque Arauco. Lá tem a loja El Mundo del Vino que vende uns airbags pra você transportar seus vinhos. Se você quiser comprar artesanato, o lugar é o mercado Los Dominicos. Atualização (04/2013): Voltei par a Santiago em 2013 e agora tem um novo Shopping, chamado Costanera. Parece ser maior que o Parque Arauco e fica ao lado do metro Tobalaba

Não são outlets nos padrões americanos e o preço das coisas não é aquela maravilha, mas sua mulher sempre vai achar alguma coisa pra comprar!

Em San Pedro de Atacama não tem muito o que comprar a não ser artesanato. Isso não falta lá. Se você precisar de alguma coisa como um tenis, uma jaqueta, etc, tem uma loja da The North Face na rua principal, a Caracoles. Mas prepare o bolso.

Dinheiro e Cartões: Como sempre utilizo meu cartão do banco e tiro dinheiro nas máquinas ATM. Pra mim isso sempre funcionou no mundo inteiro, menos no Atacama. Apesar de existirem duas máquinas ATM lá, não sei por que, não consegui usá-las. Prevendo isso, eu saquei todo o dinheiro que eu pretendia usar nos dias no deserto em Santiago.

Agora com o alto IOF do cartão de crédito (+ de 6%) o saque se torna uma boa alternativa (IOF de 0.38%). Fique atento, porém, na taxa que o seu banco cobra. Cartões de crédito são aceitos em todos os buracos do Atacama. Você tem que ter dinheiro para pagar a entrada nos parques.

Em San Pedro existem algumas casas de câmbio que compram dolar e real. No real eles pagam bem pouco mas compram. Já no dolar você consegue um preço mais justo.

Comida: Come-se bem e relativamente barato em Santiago e no Atacama. Em Santiago um local obrigatório é o Mercado onde você pode degustar frutos do mar e a famosa sopa de mariscos. Em Valparaiso e Viña del Mar também existem centenas de restaurantes de frutos do Mar. Em San Pedro de Atacama, não deixe de provar as empanadas (bem melhores do que as de Santiago) e de ir no Restaurante Delicias de Carmem. Recomendo o “Lomo a lo Pobre”. Se gostar de mal passado, peça “a Inglesa”.

Hospedagem: Em Santiago ficamos em um apart hotel em Los Condes. A localização é muito boa, perto do metro, restaurantes e supermercado. Um apartamento todo mobiliado  para 4 pessoas (com internet) fica na faixa de US$ 130/dia. Albergues, campings e outras opções mais em conta devem existir mas eu não sei informar.

Em San Pedro de Atacama existe uma infinidade de opções, desde albergues com banheiro compartilhado até hotéis de luxo com quartos a partir de US$ 200 por pessoa. Depois de alguma pesquisa escolhi a pousada Don Raul. O quarto para 4 pessoas ficou por US$ 70/dia. A internet wifi é gratis.  A pousada entrega o que promete. Escutei muita gente lá dizendo que a pousada que eles tinham escolhido não tinha nada haver com as fotos da internet. Uma lista de hotéis/pousada você pode encontrar aqui. Reserve com uma certa antecedência, principalmente se você pretende viajar no verão ou inverno.

Clima: Bem, nós fomos em pleno verão (janeiro). Em Santiago não vimos uma única nuvem no céu. Alías, a média de chuva em janeiro é de 0mn. Isso memos, zero. Durante o dia a temperatura passa dos 30C mas a noite sá uma amenizada. O clima é seco e você deve sempre levar uma garrafa de água. Não esqueça do protetor solar.

Em San Pedro é mais ou menos a mesma coisa, com a diferença que o clima é mais seco e a temperatura cai mais durante a noite.

E a tal altitude? Nós fomos a dois lugares acima dos 4000m de altitude e não vimos ninguém passar mal. Alias, em um dos passeios um rapaz teve um sangramento no nariz. Mas algumas pessoas sentem um pouco o mal da montanha. Dizem que mascar folha de coca ajuda. Uma dica que recebemos foi de hiperventilar caso você sinta alguma coisa. Ou seja, aumente intensidade da sua respiração, respirando longa e profundamente.

Tem neve? No verão só no cume das montanhas.

Última dica: Vá que você vai gostar!

 

Pensando em viajar?

CURITIBA (cadê a primavera?) Tá pensando em viajar? Então dá uma olhada nesse link. O rapaz dá algumas dicas bem interessantes. Eu gostei mais daquela que diz para pegar leve com aquelas cagadas típicas que cometemos durante as viagens. Eu por exemplo, na minha última viagem reservei um dia a mais de hotel por pura falta de atenção. Perdi uma diária e fiquei me cobrando por um bom tempo….