O Povo na Rua

SANTIAGO (não foi dessa vez) Hora de arrumar as malas pois amanhã é dia de aeroporto. E em se tratando de último dia, tínhamos combinado um almoço num restaurante tipico perto do mercado. Nada fancy, restaurante hard-core, segundo o pessoal daqui.

Mas não foi dessa vez. Encontramos uma manifestação pelo caminho. Certamente vai ser notícia no Brasil pois a coisa parece que não acabou bem. Na volta do almoço, tivemos que dar uma volta e ainda sentir os efeitos do gas lacrimogêneo nos nossos olhos. O caminhão do exército tinha acabado de dispersar a multidão, que segundo o jornal somava cerca de 150 mil manifestantes.

photo

A povo aqui, já não é de hoje, está reivindicando universidade pública gratuita. Diferentemente do Brasil, aqui a universidade pública é paga e custa caro. Para se ter uma ideia, o preço de um curso de engenharia na Universidade do Chile (pública) é o mesmo da PUC-Chile, cerca de US$ 10000 por ano.

Manifestacao Chile

Foto: Latercera.cl

Para lidar com o custo, existem programas de crédito estudantil que acabam resultando em endividamento dos jovens. Operados por bancos privados com altas taxas de juros, as dívidas são um dos estopins dos protestos.

 

Advertisements

O Pau Comeu

MONTREAL (almost done) Ontem saí pra jantar com alguns amigos e como a temperatura estava agradável (cerca de 5C) resolvi fazer uma caminhada solitária de volta pra casa. Logo na saída do restaurante observamos um movimento anormal de policiais, helicóptero da polícia sobrevoando a cidade, etc. Ficamos ali conjecturando sobre o que poderia ser aquilo e cada um seguiu seu caminho.

Meu trajeto tinha cerca de 3km por uma das principais ruas do centro de Montreal, a Saint Catherine. Passeio agradável relembrando minha época de estudante e andarilho até que dou de cara com uma passeata.

O que está acontecendo aqui é que o governo provincial quer aumentar as taxas de escolaridade das universidades. Para se ter uma ideia, hoje um curso de engenharia, para um cidadão quebecois, custa na faixa de uns CAD 2500/ano. Ou seja, quase de graça, quando comparado com outras províncias do país, e até mesmo se compararmos com universidades particulares Brasileiras.  Estrangeiros e canadenses de outras províncias pagam mais caro se quiserem estudar aqui.

E esse baixo custo da anuidade é motivo de orgulho para os quebecois. Afinal de contas, educação pública de qualidade é que vai continuar gerando a massa pagadora de impostos de amanhã. E como aqui a população não é de deixar barato, os estudantes entraram em greve e foram pra rua. Aqui tem mais informações sobre o impasse.

Voltando a passeata de ontem, esta foi mais uma manifestação organizada pelos alunos. E eu, que caminha tranquilamente pela rua pensando no passado, de repente me vi no meio da massa. Como não consegui andar no sentido contrário, resolvi ficar parado no lado da rua e esperar o povo passar. Mas como vândalos acéfalos não são exclusividade Brasileira, alguns imbecis resolveram quebrar vitrines e carros estacionados. Então a polícia que observava tudo de longe entrou na parada e o pau comeu. Bombas de efeito moral e gás lacrimogênio foram arremessadas para perto de onde eu estava. Aí foi aquela correria. Meu olhos começaram a arder e não tive muito o que fazer a não ser correr com a multidão.

Consegui escapar ileso e resolvi correr pra casa antes que me prendessem por engano. Mas tudo isso pra dizer que estou com inveja deles. Nós Brasileiros, talvez por comodismo, talvez porque já perderam a capacidade de se indignar, vemos tudo passivamente. Somos sacaneados, roubados e desrespeitados sempre que precisamos de um serviço público e fazemos o que?

Nossas universidade são sucateadas e pessimamente administradas. Gasta-se muito dinheiro com uma burocracia que tende ao infinito. Consequência disso são salas de aula de merda, laboratórios ultrapassados e banheiros que fedem e sem papel higiênico. Acho que temos que começar a cobrar anuidade. Será que alguém vai se opor?