Acesso Livre ao Pico Paraná

Screen Shot 2015-08-01 at 5.12.56 PM

Foto. Pedro T.

CURITIBA (dry) Uma novidade pra quem quer explorar as trilhas do Pico Paraná. Parece que estão começando a tirar do papel o Parque Estadual Pico Paraná. A porteira que existia na Fazenda do Dilson, a qual ele só permitia acesso após as 7h, não existe mais.  No caminho, agora você encontra diversas placas como essa, informando que o acesso é livre é que a cobrança de ingresso ou taxa de passagem é proibida.  Acredito que ele possa cobrar o estacionamento, entretanto.

O Parque ganhou uma área de passagem que foi desapropriada pela Prefeitura de Campina Grande do Sul. O site do governo do Paraná informa que essa área deve ser repassada em regime de comodato ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), órgão responsável pela Unidade de Conservação. Por enquanto nada do IAP por lá, somente as placas. E do jeito que as coisas andam, acho que o IAP não deve estar presente tão cedo.

Descobri isso tudo na última sexta-feira, dia 31/7/2015, quando repetimos, Pedro e eu, o ataque ao Caratuva. O dia, assim como da outra vez, estava magnifico. Menos frio é verdade.

Pico Paraná e baía de Antonina vista do Caratuva

E dessa vez, levamos cerveja pra tomar lá em cima. E não foi qualquer cerveja. É a cerveja produzida pelo Pedro, que diga-se de passagem, está sensacional!

Tive a oportunidade de experimentar alguns dos seus exemplares e posso dizer que o bicho leva jeito pra esse negócio de fazer cerveja. Da próxima vez vamos subir de cargueira o PP e levar um engradado!

Advertisements

Caratuva

CURITIBA (just perfect) Bem, acho que hoje foi o melhor dia de montanha dos últimos tempos. Frio, seco, boa visibilidade e céu azul. Pra aproveitar esse dia perfeito fomos (Pedro T. e eu) ao Caratuva. Encontrei o Pedro na praça das nações as 7:10h quando ele ja tinha começado a apertar o botão da sua Nikon. As fotos do nascer do sol atrás do Pico Paraná ficaram sensacionais.

Sol nascendo atras do PP. Foto: Pedro T.

O Caratuva é a segunda maior montanha em altitude do sul do Brasil, com 1850m. Talvez seja o pico mais fácil de identificar em função da presença das antenas de rádio amador. Com a aula do Pedro, hoje consegui identificar melhor o picos da região.

Caratuva (pico do meio) visto do Getúlio

Começamos a caminhada por volta das 8:20h. Fazia frio em Curitiba mas estava muito mais gelado no pé da montanha. O termometro do carro marcava 1C. Mas a sensação de frio logo desaparece quando você começa subir a montanha. Só fomos lembrados do frio e do vento perto do cume, quando notamos que a água que escorre pelas pedras da trilha estava congelada.

Depois de aproximadamente 2h de caminhada estávamos no cume do Caratuva. A vista para os cumes ao lado e para a baía de Antonina estava magnifica. E a foto clássica do Pico Paraná sem uma nuvem no céu? Essa valeu o dia.

PP visto do Caratuva

Depois de devorar uns sandubas (faltou o quentão) iniciamos a descida. Antes porém, conjecturamos um pouco sobre ir o não ir até o Taipa (pico ao lado) mas decidimos descer direto. O Taipa que nos aguarde.

Mais umas 2h de descida e chegamos a base por volta das 14h, onde alguns cidadãos se preparavam pra subir e montar acampamento para passar a noite na montanha. Pra fechar com chave de ouro, um almoção de caminhoneiro em um posto da BR.

Pico Paraná

CURITIBA (back home) Aproveitando o final das férias combinei uma expedição ao Pico Paraná (PP) com o Sartori (a.k.a. Pimenta). O tempo na quinta não estava aquelas coisas, mas a previsão do tempo para sexta era boa. Na realidade Pimenta não estava ligando muito para o clima, o negócio era subir o PP.

PP visto do Pico Caratuva num dia de sol. Não foi o nosso caso!

Sexta partimos cedinho de CWB (eu, Pimenta e Passarinho) e antes das 7h estávamos na Fazenda do PP. No portão tem uma placa dizendo para não entrar antes das 7h. Respeitamos a regra e as 7h entramos na fazenda. Pagamos a taxa de R$ 10 e começamos a caminhada pela trilha muito bem demarcada. O tempo estava fechado mas seco, porém, logo que começamos a caminhada uma garoa (olho gordo do Mildo) resolveu nos acompanhar. Atenção redobrada e passo reduzido em função do terreno bastante liso.

Cruzamos a bifurcação do Pico do Itapiroca após 2h de caminhada e depois de 4:15h estávamos no cume do PP. A garoa tinha parado o que ao menos nos permitiu um lanche digno no alto dos 1877m do cume do PP.

Logo depois que começamos o caminho de volta, Passarinho notou que tinha perdido seu celular. Voltou ao cume mas não encontrou seu moderno Nokia de R$ 1.99. Continuamos a descida e a chuva apertou.

As trilhas viraram córregos e fomos obrigados a vestir capas de chuva para amenizar o frio. Em função da chuva, a descida foi meio cansativa e tensa divertida em alguns trechos.

Apesar do mal tempo descemos com segurança e por volta das 16:30h estávamos de volta a base. Agora temos que voltar pra lá com o dia limpo para apreciar o visual e procurar o celular do Passarinho.