Ñuñoa

SANTIAGO (hot and dry) Mais uma semaninha de trabalho em Santiago, dessa vez convidado pelo meu colega José Saavedra para discutir nossas pesquisas em “deep learning”. Hoje fiz uma apresentação para os alunos da ciência da computação da Universidad de Chile sobre reconhecimento de padrões e aprendizagem de máquina e depois José me levou para conhecer o bairro onde ele mora. Trata-se da comuna de ñuñoa (lugar das flores amarelas).

O ponto “turistico” da região é a plaza ñuñoa, onde está o bonito prédio da prefeitura da comuna. Ao redor da praça tem um porção de bares e restaurantes. screen-shot-2016-11-09-at-22-10-37

Mas os mais legais ficam atras do prédio da prefeitura descendo um lance de escadas. O local lembra um pouco o famoso Patio Bela Vista (talvez a maior armadilha para turistas de Santiago). Este porém é frequentado pelos locais, pois fica um pouco longe do centro e não tem metrô perto. O jeito mais fácil de chegar lá é pegando um taxi ou uber.

img_0130

Descendo as escadas, o primeiro bar a direita tem um monte de cervejas artesanais e um bom hamburger. As IPAs chilenas merecem uma certa atenção!

img_0126

La Vega de Santiago

SANTIAGO (airport sucks) No nosso último dia de Chile fomos convidados a experimentar a típica cozinha chilena. Nossos hosts, Juan e José, nos levaram a “La Vega”, um mercadão do outro lado do Rio Mapocho. De um lado da rua funciona o mercado de frutas e verduras e do outro um monte de pequenos restaurantes populares.

O lugar é bem diferente da Santiago que eu tinha conhecido até então. Parece mais um Paraguai, ou melhor, uma Cidade del Lest na fronteira com o Brasil. Em outras palavras, uma zona total. Gente e sujeira pra cacete. Realmente não parece a Santiago da Providencia e Las Condes. Não estou falando que não vale a pena visitar, pelo contrário. Estou dizendo que é bem diferente e por isso vale a visita.

IMG_2878

Segundo o Juan, nosso host Chileno da gema, La Vega é o real mercado já que o Mercado Central virou um lugar totalmente turístico. Em suas palavras, “The Mercado Central is a tourist trap while La Vega is the real deal!”

IMG_2876

Nos embrenhamos por dentro das pequenas ruelas dentro do mercado até chegar ao pequeno e acanhado restaurante. Espremidos numa pequena mesa, Laurent, meu colega Francês, tirava foto de tudo e parecia maravilhado com aquela visão de terceiro mundo. “ça c’est le vrai Chili!!”

IMG_2873

Se você quiser diversas opções de pratos a preços realmente camaradas, esse é o lugar. E se você pedir qualquer coisa “a lo pobre”, pode ter certeza que vem muita comida (com ovos e batata frita). Eu fui de costela a lo pobre. Esse prato com uma cerveja saiu por cerca de US$4. Uma boa pedida, não?

Garmin VivoSmart

SANTIAGO (lot of steps) Estava procurando um dispositivo para monitorar algumas atividades nas quais eu não uso o GPS. Dei uma pesquisada nos smartwatches mas nenhum me convenceu, principalmente pelo pouca autonomia da bateria (e também pelo preço). Então encontrei os fitness trackers, dispositivos que estão ficando cada vez mais smarts principalmente em função da concorrência dos smartwatches. O mercado está cheio de opções pra quem procura um fitness tracker. Jawbone, Misfit, Fitbit, Garmin,etc.. Tem para todos os gostos e necessidades. Um bom review pode ser encontrado aqui

Depois de alguma pesquisa resolvi pelo Garmin Vivosmart. A escolha se deu principalmente pelo fato da Garmin fazer um hardware confiável e também pela integração que ele proporciona com os sensores ANT+ que eu já tenho. Ele também funciona para controlar as músicas no celular e como controle remoto para a câmera da Garmin, a VIRB.

A garmin tem dois modelos de trackers, o vivofit2 e o vivosmart. O vivofit é mais barato e tem uma bateria que em teoria deve durar um ano. Já o vivosmart tem algumas funcionalidade a mais, ou melhor, é uma aspirante a smartwatch, e por isso paga um preço. A bateria deve ser recarregada a cada sete dias. A principais diferenças entre os dois você encontra aqui.

Os sensores do vivosmart conseguem medir o número de passos, distância, calorias queimadas também monitorar a qualidade do sono usando os sensores de movimento.

IMG_2836

Qualidade do sono segundo o Vivosmart

Ele também te avisa depois de um certo período de inatividade para que você levante a bunda da cadeira e dê uma caminhada.

Move! Depois de 1h sentado.

Uma funcionalidade, a qual eu desprezei no início, mas que agora acho bastante útil, é a notificação do celular. Toda vez que o celular recebe uma notificação (chamada, whatsapp, calendário, lembretes, etc…), o vivosmart vibra e mostra a mensagem num visor OLED de 128 X 16 pixels. É pequeno, mas suficiente para ver de quem é a mensagem e se vale a pena tirar o telefone do bolso ou da gaveta.

Outra coisa que eu achei útil, é a notificação de quando o dispositivo perde a conexão bluetooth. Isso quer dizer que você deixou seu celular em algum lugar. Você pode deixar seu celular em algum canto de propósito ou você pode esquece-lo. No segundo caso, essa funcionalidade é bem interessante. Como eu vivo esquecendo as coisas, gostei disso. O que eu preciso fazer agora é amarrar meu celular com a minha carteira. Aí meus problemas estarão resolvidos!

Finalmente, você pode configurar um alarme que vibra no seu pulso e acorda somente você e não a sua mulher. Especialmente útil naqueles dias que você acorda cedo pra pedalar.

Todos os dados coletados pelo vivosmart são enviados para Garmin Connect. O problema é que eles são péssimos desenvolvedores de software. Por exemplo, nessa versão atual do firmware, 3.5, tem um bug relacionado com o sensor de velocidade da bike. Se você pedalar com o sensor de velocidade pareado, o Garmin connect acha que você caminhou toda a distância pedalada. Fiz um pedal de 50km e o Garmin connect acha que eu caminhei 4 milhões de passos.

Ok, um bug. Mas como o Garmin connect é uma bosta, você não consegue apagar essa informação do seu perfil. Consequentemente, as estatísticas que aparecem no site não servem pra nada. Minha média de passos no mês é de 500 mil passos!

statistics

Escrevi para o suporte da Garmin e a resposta foi a seguinte: “No momento não tem jeito de editar os dados e não sabemos se vai ter jeito no futuro”. Porra, eu não quero editar, eu quero apagar!!

Ok, tem alguns aspectos do software que se salvam. Não é tudo um bosta. Uma coisa bacana é o que eles chamam de breakdown, que cobre tudo o que o dispositivo monitora em 24 horas (meia-noite a meia-noite). Abaixo apresento dois exemplos. O primeiro de um dia normal de trabalho no qual eu fiz 1h de Yoga e depois fiquei a maior parte do tempo sentando na frente do computador escrevendo um maldito relatório.

normal day

O segundo é um domingo de turista em Santiago no qual eu andei mais de 20km turistando por alguns cantos da cidade que eu ainda não conhecia. Mesmo caminhando mais de 20km, fui sedentário 43% do meu tempo. Parte desse tempo se deve as paradas para hidratação a base de Austral e Kunstmann. Porque nem só de caminhar vive o homem!

O Povo na Rua

SANTIAGO (não foi dessa vez) Hora de arrumar as malas pois amanhã é dia de aeroporto. E em se tratando de último dia, tínhamos combinado um almoço num restaurante tipico perto do mercado. Nada fancy, restaurante hard-core, segundo o pessoal daqui.

Mas não foi dessa vez. Encontramos uma manifestação pelo caminho. Certamente vai ser notícia no Brasil pois a coisa parece que não acabou bem. Na volta do almoço, tivemos que dar uma volta e ainda sentir os efeitos do gas lacrimogêneo nos nossos olhos. O caminhão do exército tinha acabado de dispersar a multidão, que segundo o jornal somava cerca de 150 mil manifestantes.

photo

A povo aqui, já não é de hoje, está reivindicando universidade pública gratuita. Diferentemente do Brasil, aqui a universidade pública é paga e custa caro. Para se ter uma ideia, o preço de um curso de engenharia na Universidade do Chile (pública) é o mesmo da PUC-Chile, cerca de US$ 10000 por ano.

Manifestacao Chile

Foto: Latercera.cl

Para lidar com o custo, existem programas de crédito estudantil que acabam resultando em endividamento dos jovens. Operados por bancos privados com altas taxas de juros, as dívidas são um dos estopins dos protestos.

 

Último Colocado

SANTIAGO (mission accomplished) Nesse último fim de semana aconteceu a Maratona de Santiago. Várias pessoas me perguntaram por que eu não ia correr, já que estava em Santiago. Como se correr uma maratona fosse chegar e correr. Se não treinar, não dá. Pelo menos era o que eu imaginava.

Mas vendo o jornal de hoje mudei de mudei de idea. Dá pra correr. E ainda dá pra sair na capa do jornal. Basta fazer a prova em mais de 6h e chegar em último.

maratonaPelo menos a mulher dele estava esperando na linha de chegada. Deve ter dito, que papelão hein !!

Vinícola Santa Rita

SANTIAGO (powered by Carménère) Seguindo a sugestão do meu amigo Adriano, hoje fui visitar a vinícola Santa Rita, a quarta maior vinícola do Chile. Logo na entrada você encontra o grande casarão de mais de 200 anos que hoje abriga o restaurante Doña Paula e também a loja de vinhos. O restaurante é todo decorado com pinturas e móveis da mesma época do casarão. Muito bonito. Mas não, não almocei ali pois tinha que fazer reserva e eu não fiz.casarao santa rita

Diferentemente do tour da Concha y Toro que é bem superficial, na Santa Rita você passeia no meio da fábrica, vê o processo de produção e sente aquele cheiro azedo de uma vinícola.

processo

O tour continua passando pelos porrões lotados de barris de carvalho, processo de engarrafamento e outras adegas históricas do prédio. Um lugar bacana é onde os enólogos guardam as garrafas que eles bebem para acompanhar o envelhecimento do vinho. Não estão a venda, mas se estivessem deveriam custar uma pequena fortuna.

garrafas

O lugar ainda é cercado de história. Durante a guerra da independência Chilena, a então proprietária, Doña Paula, abrigou nos porrões da vinícola 120 soldados. O lugar onde os soldados ficaram refugiados faz parte da visita e é lá que é realizada a degustação. Dois tipos de vinhos foram servidos, um Sauvignon Blanc e um Carménère Reserva. Esse último, um autêntico Carménère Chileno.

E como toda visita acaba na loja, essa não é diferente. E se você pensa em comprar algum vinho, os preços da loja deles é cerca de 20% mais em conta do que no mercado. Eu garanti algumas garrafas do Casa Real para minha adega!

 

Ceviche Peruano

SANTIAGO (half way) Toda cidade mais desenvolvida com um pouco mais de estrutura e oportunidades acaba sempre atraindo um monte de imigrantes. E isso não é diferente aqui em Santiago. Uma cultura que estou tendo oportunidade de conhecer um pouco mais aqui é a Peruana.

Todo imigrante traz consigo uma porção de coisas boas mas também coisas que deveriam deixar em seus países de origem, mas isso nem sempre acontece. Mas vamos falar das coisas boas. E isso começa pela cozinha. Logo nos primeiros dias, José, o Peruano, me disse que eu tinha que provar a comida do seu país.  Senti que ele ficou um pouco indignado quando eu disse que não conhecia a culinária Peruana. Depois de provar entendi a sua indignação.

Enfim, me levaram num restaurante, que segundo ele, é um dos melhores em Santiago. O restaurante se chama El Aji Seco e certamente não é um lugar que eu entraria como turista. Não pelo restaurante, mas sim pela localização.

el aji seco

E essa é a vantagem de estar com o locais. Você tem a chance de conhecer lugares que os turistas comuns jamais vão encontrar. O restaurante é simples mas a comida é deliciosa. Provei o famoso Ceviche e pensei, merda como não comi isso antes!

O ceviche é o prato mais tradicional do Peru. Pelo que eu entendi, se você pedir para um Peruano descrever seu país em poucas palavras, ceviche vai ser uma delas.

Basicamente é peixe cru que fica no limão por alguns segundos e leva pimenta, cebola e coentro. Provei um combinado com três molhos diferentes. Simplesmente sensacional.

ceviche